Como se tornar um profissional de people analytics?

 
 
people-analytics-maos-com-relogio-no-ar-em-escala-de-cinza-com-quadrado-azul.jpg

Uma nova carreira em gestão de pessoas

Muitos profissionais de recursos humanos e outras áreas estão considerando people analytics um novo direcional de carreira. Vamos discutir quais devem ser seus primeiros passos, onde buscar informações e como aproveitar essa comunidade que está se formando.

 
 

Você leu sobre people analytics. Você se interessou pela área. Talvez sua empresa esteja criando um time especificamente com essa função. Talvez você deseje um novo rumo de carreira. Ou talvez você seja um acadêmico ou acadêmica que quer se especializar no assunto. De qualquer modo, este é seu guia inicial para começar uma carreira em people analytics.

 

POR QUE TRABALHAR COM PEOPLE ANALYTICS?

Se você nunca foi particularmente muito fã da divisão entre "exatas" e "humanas", assistiu ao filme Moneyball e pensou que aquele seria um trabalho sensacional, e ainda se interessa pelos mais diferentes aspectos do comportamento humano dentro de um ambiente empresarial, muito possivelmente people analytics seja uma área para você. E para trabalhar com o componente analítico da gestão de pessoas, você precisa gostar de três coisas: ciência, pessoas e desafio.

A atividade de alguém que lida com people analytics é, basicamente, a atividade de um pesquisador ou pesquisadora. Formulação de hipóteses, desenhos de pesquisas e experimentos, análise de resultados – e seu questionamento crítico – e o desenvolvimento de conclusões são a estrutura básica de atuação de um cientista e de um profissional de people analytics. A ciência e o método científico são os guias que vão nortear cada passo do seu trabalho.

 

Claramente seu objeto de estudo serão pessoas. Pessoas que nem sempre agem de maneira racional ou previsível. Pessoas que muitas vezes nem conhecem suas próprias motivações e sentimentos. Pessoas muito mais complexas e multifacetadas que qualquer outro objeto de análise. E, principalmente, pessoas que vão exigir cada vez mais que sua gestão seja transparente, justa e inteligente. Em uma era digital em que as marcas empregadoras são caixas de vidro que podem ser acessadas até mesmo por quem ainda não trabalha na empresa, entender as reais necessidades dos funcionários nunca foi tão crítico.

Quem hoje busca uma das fronteiras de inovação em gestão de pessoas, terá em people analytics um desafio à altura
 

E justamente por se tratar de uma área de fronteira que une conhecimentos considerados diametralmente opostos, o profissional de people analytics tem que estar pronto para estudar constantemente, se aperfeiçoando da análise estatística à leitura de artigos de psicologia organizacional. Mas o grande desafio não está apenas no conhecimento técnico, mas também na sua aplicação prática em ambiente empresarial. Conhecer como os atuais processos de recursos humanos são operados, como as culturas das organizações afetam o ambiente de trabalho e como orçamentos e cronogramas podem afetar a qualidade das pesquisas a serem realizadas é parte essencial de quem deseja operacionalizar people analytics. 

E além de tudo, people analytics é jovem. Os primeiros passos ainda estão acontecendo e muitos dos caminhos ainda não foram desenhados. Quem hoje busca uma das fronteiras de inovação em gestão de pessoas, terá em people analytics um desafio à altura.

 

POR ONDE DEVO COMEÇAR?

Os times de people analytics em geral são formados por grupos multidisciplinares, com profissionais das mais diversas formações acadêmicas: engenheiros, psicólogos, administradores, estatísticos, cientistas de dados, etc. Cada um atua dentro de suas especialidade, mas com conhecimento técnico básico suficiente das outras áreas para poder analisar criticamente o conjunto dos estudos sendo realizados. Quem faz a análise estatística de dados não pode se dar ao luxo de não conhecer nada sobre vieses cognitivos ou falácias lógicas, uma vez que estes criam padrões que podem ser observados durante a etapa de análise estatística.

Infelizmente, profissionais que tenham conhecimento em todos os campos que envolvem people analytics são bem raros. Pense no último estatístico/cientista de dados/psicólogo organizacional/especialista de RH que você conheceu (caso você seja essa pessoa, venha trabalhar com a gente). Portanto, quem deseja trabalhar com a área precisa ter um entendimento funcional sobre esses diversos tópicos e, para isso, criamos um compilado de materiais básicos para introduzi-los.

 

LIVROS

Recomendamos quatro livros básicos para quem quer uma introdução variada nos tópicos acessórios de people analytics. Tenha em mente que se você já é um estatístico de formação, um livro introdutório como Estatística, o que é, para que serve e como funciona de Charles Wheelan talvez seja superficial demais. O objetivo de cada um dos livros é ser acessível e compreensível o suficiente para que mesmo quem não tenha nenhum conhecimento técnico em sua respectiva área possa aproveitar a leitura.

 
 

Um novo jeito de trabalhar de Laszlo Bock, ex-vice-presidente de People Operations no Google, descreve sua experiência como responsável pelos processos relacionados a gestão de pessoas no Google, a criação e operação do time de people analytics e toda a mudança cultural envolvida na adoção da revolução analítica no contexto do que seria a área de RH da empresa. O andar do bêbado, do físico Leonard Mlodinow, trata de maneira leve e curiosa os impactos do aleatório nos mais diversos campos de atuação humana, discorrendo sobre conceitos estatísticos aplicados e como a mente humana falha em compreendê-los. Estatística, o que é, para que serve e como funciona do jornalista Charles Wheelan apresenta o olhar de um não estatístico sobre o mundo fascinante desse ramo da matemática e suas aplicações práticas no dia a dia. Por fim, Storytelling com dados, da matemática Cole Nussbaumer do time de people analytics do Google, descreve o processo de contar boas histórias usando dados, transformando todo o trabalho de análise em um produto simples, elegante e efetivo para o ambiente empresarial.

 

CURSOS ONLINE

Justamente por ser uma área muito nova, os conhecimentos de people analytics estão espalhados em diversos fóruns, tornando o ensino online uma ferramenta indispensável para quem deseja trabalhar na área. Para isso, selecionamos três cursos com níveis diferentes de dificuldade técnica e distintas faixas de preço para que você possa adequá-los à sua disponibilidade:

  • People Analytics | Coursera | University of Pennsylvania:  uma introdução teórica rápida e de fácil acesso sobre o tópico de people analytics. Pode ser realizado em apenas um semana (ou até um dia) e é útil para qualquer pessoa que trabalhe com gestão de pessoas, dentro ou fora de uma área de recursos humanos. É possível terminá-lo gratuitamente dentro do período de teste do Coursera;
  • CORe Credential of Readiness | HBX | Harvard Business School: considerado um pré-MBA da Harvard Business School, o CORe é uma das melhores formações online disponíveis no mundo para qualquer pessoa que deseja uma carreira corporativa. Apesar de não ser específico para people analytics, seu curso de Business Analytics é uma excelente introdução teórica às ferramentas analíticas e o conjunto dos cursos forma definitivamente profissionais mais capacitados para lidar com a realidade de negócios de uma empresa. Pode ser completado em 3 ou 4 meses e tem um investimento de cerca de US$2000;
  • Data Science Specialization | Coursera | John Hopkins University: a especialização da Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health trata especificamente de ciência de dados, programação em R, análise estatística, machine learning e a criação de produtos (como apps, websites, etc.) usando esses conhecimentos. Com uma abordagem prática – mas ainda assim acadêmica – é recomendável para quem já tem conhecimento básico em estatística e deseja potencializar suas análises. Pode ser completado de 3 a 6 meses e custa US$49 por mês;
 

INICIAÇÃO CIENTÍFICA

Uma das atividades da formação acadêmica – independe da área ou curso – mais importantes para quem deseja seguir em people analytics é a iniciação científica. Nela, alunos de graduação das universidades brasileiras participam como pesquisadores iniciantes em algum projeto de pesquisa orientados por professores responsáveis e são introduzidos a tópicos como metodologia científica, planejamento e análise de experimentos, revisão por pares e escrita científica. Mas mais importante, são expostos ao escrutínio técnico, operacional e muitas ético necessário para atuar com pesquisa, uma das habilidades essenciais para quer ser um profissional da área.

 

CANAIS DO YOUTUBE

Embora o Youtube não seja necessariamente a fonte mais confiável de informações técnicas, ele é definitivamente uma ferramenta muito útil para divulgação científica (acadêmica e empresarial) e como fonte introdutória para novos conceitos. Nossa indicação é que ele seja utilizado como a Wikipédia: onde a pesquisa pode começar, mas nunca como fonte final. Alguns dos canais mais úteis sobre os tópicos acessórios de people analytics incluem:

  • CrashCourse: um canal de cursos introdutórios em séries de pequenos vídeos sobre os mais diversos tópicos, como estatística, psicologia, história da ciência, etc.;
  • BigThink: um canal sobre "grandes idéias e habilidades essenciais que definem o conhecimento no século 21", trazendo especialistas de Bill Clinton a Bill Nye, discutindo conteúdo educacional e apresentando descobertas recentes de distintos campos do conhecimento humano;
  • BrainCraft: um canal de Vanessa Hill, mestre em Comunicação Científica, produzido pela PBS (organização sem fins lucrativos e canal de TV educacional americano), com foco em psicologia e neurociência;
  • Healthcare Triage: um canal de Aaron Carroll, pediatra e diretor do Centro de Pesquisa em Políticas de Saúde e Profissionalismo da Universidade da Indiana, discutindo "políticas de saúde, pesquisa médica e respostas a muitas outras perguntas que você possa ter sobre medicina e cuidados com a saúde". É uma excelente fonte de informação sobre desenho de pesquisas e experimentos de qualidade, além de tópicos sobre saúde aplicáveis ao ambiente empresarial;
 

A NUMERA

Um dos nossos principais objetivos sociais como empresa é ajudar a criar e desenvolver os profissionais e a comunidade de people analytics brasileira e mundial. Para isso realizamos eventos, ministramos cursos e treinamentos e organizamos formações in company tanto para quem trabalha diretamente com a área, quanto para todas as outras áreas que podem se beneficiar dos conhecimentos que a compõe. Além disso, criamos este blog justamente com o objetivo de fomentar a discussão e ajudar a comunidade a ter acesso à informação sobre people analytics com curadoria de conteúdo. Você também pode seguir nossas postagens por meio da nossa página no LinkedIn.

 

APROVEITE A COMUNIDADE

As pessoas que trabalham com people analytics não só acham o tópico fascinante e desafiador, como entendem a necessidade de divulgação de conhecimento da área, principalmente por estar em estágio embrionário. Exemplo clássico é o time de people analytics do Google, que divulga muito sobre seu trabalho no site do re:Work. Além disso, você pode participar de grupos de discussão sobre o tópico ou ainda entrar diretamente em contato com os núcleos que estão se formando em várias empresas brasileiras.

E uma dica final é: continue curioso ou curiosa. Existe um mundo de informações ainda não descobertas que podem ser a chave para empresas melhores e funcionários mais felizes. E, se achar algo bem interessante, não se esqueça de compartilhar conosco.


Quer saber mais sobre o assunto? Conheça mais sobre people analytics em um dos nossos treinamentos.

Thiago Melopeople analytics, RH